CidadesDestaqueGeralParaíbaPolitica

Ricardo chama Calvário de ‘espetáculo midiático’ e diz que não existem provas contra ele, apenas uma ‘narrativa mentirosa’ construída para tirá-lo da política

Segundo ele, o Ministério Público da Paraíba tentou construir uma "narrativa mentirosa" contra ele por ter colocado o "dedo na ferida" e ter apoiado o ex-presidente Lula na luta contra a Lava Jato.

O ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), durante entrevista na tarde desta sexta-feira (13), falou a respeito das acusações e prisão preventiva contra ele após a 7ª fase da Operação Calvário, deflagrada em 17 de dezembro, pela Polícia Federal em conjunto com o Ministério Público da Paraíba (MPPB), por meio do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco). Segundo ele, o MPPB não conseguiu apresentar provas a respeito das acusações, sendo colocado até o momento, apenas a “construção de uma narrativa mentirosa” contra ele por ter colocado o “dedo na ferida” e ter se posicionado contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e apoiado o ex-presidente Lula (PT) na luta contra a Operação Lava Jato.

“Eu não sou o primeiro, nem serei o último a ser acusado por essa doença que tomou conta do Brasil e do Estado Democrático de Direito”, disse Ricardo Coutinho em entrevista à Rádio Sanhauá.

Segundo Ricardo, o “espetáculo midiático” de qual é vítima tem alimentado as acusações contra ele e que o MPPB tem tentado repetir no Estado o que o ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro, promoveu de “forma mentirosa no Brasil”. “Não existe uma prova que me liga a nada, a não ser desvarios. Já fizeram uma oitava fase, para fazer que nem a Lava Jato, e chegar até a não sei quantas fases”, afirmou.

E concluiu. “Não creio que seja razoável, dentro de um estado democrático de direito o que o Ministério Público faz. Não estou falando da instituição, mas de alguns membros da instituição”, afirmou.

O ex-governador contestou ainda o trecho da denúncia apresentada pelo MPPB que apontou um encontro entre ele e conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB) para apresentar um dossiê que teria o intuito de intimidar os servidores da Corte.

“Disseram que teria havido uma reunião entre eu e os conselheiros para ter chantagem, essa reunião nunca existiu. Eles trabalham com duas condenações, para ter uma condenação colegiada e para ter a vingança de conselheiros para rejeitar uma conta minha, é uma farsa, é uma mentira isso. Você não pode chegar para tal coisa e dizer isso, cadê a gravação? Não existe gravação porque isso é uma mentira”, disse.

Da redação – WsCom
redacao@conceicaoverdade.com.br

Deixe seu comentário

ATENÇÃO: Todo e qualquer comentário publicado na Internet através do Portal Conceição Verdade, não refletem a opinião deste Portal de Notícias.

Tags

Artigos relacionados

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios